Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Transferência de embriões a fábrica de campeões

Dr. Eros Biondini (Médico Veterinário)

Se “a árvore boa dá bons frutos” e se “é pelo fruto que se conhece a árvore”, façamos pois, com que a árvore cresça. Que seus frutos sejam abundantes e que muitos homens venham alimentar
A maior realização de um criador de cavalos é ver seu trabalho reconhecido. Os potros nascendo, crescendo e se tornando verdadeiros exemplares da raça.
Quando um animal chega a ser premiado nas pistas de exposições, ou dos concursos, quer seja por estar lá ou através de seus filhos, revela-se o fruto de um árduo e perseverante trabalho de dedicação e esforço, onde a seleção e o melhoramento genéticos são perseguidos a cada momento.

Várias são as tecnologias que auxiliam para esse aprimoramento e conseqüente resultado vitorioso.
Hoje em dia a transferência de embriões equinos é o grande acelerador da evolução genética de um haras. Ela pode, se bem conduzida, se tornar uma verdadeira fábrica de campeões.
Imaginemos o seguinte:
Um garanhão em sua vida reprodutiva pode obter centenas de filhos, comprovando, assim, rapidamente, sua qualidade como reprodutor.
A égua, porém, em condições normais pode gerar de 10 a 12 filhos, número pouco expressivo para comprovar sua qualidade genética como reprodutriz.
Com o advento da transferência de embrião, a égua tornou-se capaz de produzir, em apenas um ano, uma média de 08 embriões viáveis, gestados pelas receptoras, aumentando em muitas vezes, o número de filhos durante sua vida reprodutiva. Ao final de sua carreira, ela pode perfazer um número expressivo de até cinqüenta filhos
Tudo isso só é possível graças a essa maravilhosa tecnologia. Nos laboratórios de transferência de embriões são produzidos os campeões do futuro.
É muito importante, porém que não se use inescrupulosamente essa tecnologia para não haver o risco de produzirmos em escala, animais com características indesejáveis, ou seja, disseminarmos defeitos genéticos hereditários para outros criatórios.
O cuidado ao escolher a doadora e o garanhão é fundamental, pois, voltando ao ensinamento bíblico, “não se colhe figos de espinheiros”.
Se bem conduzida, a transferência de embrião, em poucos anos, trará ao criatório um verdadeiro salto genético.
Quem não quer uma fábrica dessa no seu haras?!…

Fonte: ABCPampa

Deixe uma resposta